Informática para a Biodiversidade.

Sobre o Projeto

A polinização é um dos principais mecanismos de manutenção e promoção da biodiversidade na Terra. Somente após a polinização as plantas podem formar frutos e sementes, das quais dependem para sua reprodução. Mais de 3/4 das plantas agrícolas que alimentam o mundo e muitas plantas utilizadas pela a indústria farmacêutica dependem da polinização por insetos ou outros animais para produzir frutos e sementes. A manutenção da diversidade de polinizadores contribui para a manutenção da nossa diversidade de alimentos e qualidade de vida.

Para assegurar a sustentação dos serviços de polinizadores nos ecossistemas agrícolas, é necessário um aprofundamento do conhecimento dos múltiplos benefícios e serviços promovidos pela diversidade de polinizadores e os fatores que influenciam suas populações. Onde há ausência de polinizadores, a segurança alimentar pode ser comprometida repercutindo negativamente na economia com a diminuição da produtividade das culturas. Portanto, é necessário identificar práticas de manejo sustentáveis que diminuam os impactos negativos antropogênicos sobre os polinizadores; promovam a conservação e a diversidade de polinizadores nativos, e conservem e restaurem áreas naturais necessárias para otimizar os serviços de polinizadores nos sistemas agrícolas.

A Convenção sobre Diversidade Biológica em sua Decisão V/5 estabeleceu uma “Iniciativa Internacional para Conservação e Uso Sustentável de Polinizadores” – IPI-, para promover uma ação mundial coordenada com os seguintes principais objetivos: 1- Monitorar o declínio de polinizadores, sua causa e seu impacto sobre os serviços de polinização; 2- Suprir a falta de informações taxonômicas sobre polinizadores; 3- Avaliar os valores econômicos da polinização e do impacto do declínio dos serviços de polinização; 4- Promover a conservação, a restauração e o uso sustentável da diversidade de polinizadores na agricultura e ecossistemas relacionados.

Dentre os países que se organizaram para implementar a IPI destacam-se as iniciativas regionais que incluem a Iniciativa Européia de Polinizadores (EPI), a Campanha Norte Americana de Proteção aos Polinizadores (NAPPC), a Iniciativa Africana de Polinizadores (API) e o Programa de Polinizadores do Sudeste da Ásia (ICIMOD).

No Brasil a Iniciativa Brasileira de Polinizadores (IBP) foi estabelecida durante o Encontro Bienal sobre Abelhas em Ribeirão Preto em setembro de 2000 com o apoio do MMA, USP e EMBRAPA.

Com o objetivo de promover essas Iniciativas nos países em desenvolvimento, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura - FAO convidou o Brasil a fazer parte de um projeto internacional intitulado “Conservação e Manejo de Polinizadores para Agricultura Sustentável através de uma Abordagem Ecossistêmica”, juntamente com África do Sul, Quênia, Gana, Índia, Paquistão e Nepal. Este projeto, aprovado pelo Fundo Mundial para o Meio Ambiente – GEF em junho de 2008, teve seu início em março de 2010, com duração de 5 anos e um orçamento total de 12 milhões de dólares sendo 3,5 milhões destinados ao Brasil.

No Brasil o projeto GEF Polinizadores tem o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade – Funbio como agencia responsável pela execução. Um comitê nacional instituído por meio de Portaria Interministerial no 178, de 29 de maio de 2009, com representantes de diferentes ministérios, órgãos públicos, organizações civis e especialistas coordena o projeto sob a supervisão geral do Ministério do Meio Ambiente.

Em seu primeiro ano de vigência o comitê coordenador do Projeto GEF Polinizadores definiu como principal ação o apoio aos sete projetos aprovados no edital CNPq 024- Rede de Polinizadores. Esse apoio será direcionado para as áreas de monitoramento da biodiversidade de polinizadores visando a padronização de metodologias e posterior comparação dos resultados entre os projetos. O projeto também incentivará a formação de uma rede de taxonomia de polinizadores no sentido de mitigar o impedimento taxonômico para polinizadores. Uma rede informação tecnológica também será elaborado com o intuito de estabelecer um banco de dados em polinização e um inter-cambio de informações dentro e fora do país.